Páginas

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Radiografia dos PMs brasileiros em livro

Trabalho inédito, Papa Mike: A realidade do policial militar conduz a um percurso pela corporação com as lentes dos bastidores focadas nas trincheiras do combate ao crime

Imagem: https://pbs.twimg.com
O AUTOR
Sargento Lago é da reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo, jornalista, escritor, cantor e compositor. Nasceu em Queluz, no leste do estado de São Paulo, na microrregião de Guaratinguetá, mas passou a infância no estado do Rio de Janeiro: primeiro em Piraí, depois em Resende e em Angra dos Reis, onde o pai era pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus.
Aos 8 anos, junto com o irmão Misael, vendia verduras nas residências do bairro Liberdade, em Resende; aos nove, engraxava sapatos no Manejo; e aos 10, trabalhava como atendente de uma loja de eletrônicos, na antiga rodoviária da cidade.
De volta para São Paulo, já adolescente, trabalhou em feira livre, metalurgia, farmácia, adega, confecção, imobiliária.
Iniciou o serviço na Polícia Militar do Estado de São Paulo no 16º BPM/M, atuando no policiamento de rua. No período de quatro anos, foi promovido a cabo e depois sargento, tendo completado, paralelamente, o curso de paraquedismo. No ano seguinte, trabalhando no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, passou a lecionar no curso de formação de cabos.
Em 1988, retornou à atividade operacional no 1º Batalhão de Polícia de Choque, como integrante Rota. No mesmo ano, ingressou na faculdade de jornalismo de Mogi das Cruzes, interrompido seis meses depois pela dificuldade em custear os estudos. 
Ao longo da carreira, serviu também no 23º BPM/M, no 4º BPM/M e no 35º BPM/I, na 5ª EM/PM e na Diretoria de Ensino.
Apaixonado por música, dedicou-se ao aprendizado autodidata do violão e do cavaquinho, compôs mais de duzentas canções e gravou quatro CDs: Fruto da emoção, 1995; De Polícia, 2000; Profissão coragem, 2008; e Apenas um policial, 2010.
Em 1997 formou-se em jornalismo. Trabalhou como narrador, repórter esportivo e apresentador de programas policial e esportivo, nas rádios Cidade Jundiaí, Difusora São Paulo, e Agulhas Negras Resende, além de ter sido editor dos jornais Nazireu e Boas Novas.

Imagem: http://www.sargentolago.com.br
Papa Mike: a realidade do policial militar
Autor: Sargento Lago
Formato: 16x23cm
Páginas: 240
ISBN 9788592114305
Preço: R$ 47,25
Disponível para venda em formato impresso e e-book em: www.sargentolago.com.br

Assista ao booktrailler:
Canal: Sargento Lago

Um convite à reflexão e a debates sobre segurança pública, sob o ponto de vista de um de seus protagonistas, o policial militar. Assim é Papa Mike: a realidade do policial militar, concebido pelo profissional da reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo, também jornalista, escritor, cantor e compositor Sargento Lago.
O livro – disponível nos formatos impresso e e-book – é uma jornada de descobertas e autodescoberta que conduz o leitor a uma imersão no cotidiano da PM (sigla de Polícia Militar e Papa Mike, no alfabeto policial e nas comunicações via rádio) no Brasil, com especificidades por regiões e culturas, além de ser uma tentativa de o autor mostrar que os estereótipos focam nos aspectos negativos e anulam o sacrifício feito pelos profissionais da segurança.
O lançamento com sessão de autógrafos será realizado na quinta-feira, 23 de junho, às 19h, na Associação dos Subtenentes e Sargentos da PMESP, com exposição de fardas das PMs do Brasil, e lançamento do CD Apenas um policial, também assinado por Sargento Lago, e nascido da sua concepção de que “quando palavras e atitudes não são suficientes as canções exprimem o que se queria dizer”.

POR TRÁS DA FARDA
Como parte do projeto Polícias Militares do Brasil, desenvolvido para registrar através de depoimentos e imagens a realidade dos quartéis da PM no país, Papa Mike é um misto de relato e memórias, com adrenalina e pé no jornalismo, entre conversas na intimidade com comandantes-gerais, depoimentos emocionados da tropa – alguns confidenciais, outros em tom de desabafo – e confissões do autor. A publicação faz ainda um retrato da profissão em nível nacional, seus desafios, sacrifícios, tabus, suas motivações e idiossincrasias, ao apresentar heróis anônimos que chegam a sacrificar as próprias vidas pela proteção de desconhecidos. 
“Essas questões todas latejavam em mim quando me aposentei (ao mesmo tempo que vivia ainda um drama pessoal com o fim de meu casamento). Não foram as vicissitudes do ofício que me deixaram com o gosto amargo da frustração, mas a falta de reconhecimento. Quando decidi viajar pelo Brasil visitando as corporações do país, não pensava ainda em escrever este livro. Queria apenas visitar a minha própria experiência, confrontando-a com a realidade do universo policial em outros contextos, na esperança de encontrar alívio para as minhas inquietações e conseguir, assim, me desligar da profissão sem perder o sentido do seu valor e do meu próprio. [...] mas foram tantas as impressões pessoais que escrevê-las tornou-se uma necessidade irresistível”, explica o autor.

PELO MUNDO
Sargento Lago concluiu sua viagem em 2011 para, já no ano seguinte, se aventurar a conhecer a realidade policial também fora do Brasil, em 34 países visitados entre Europa e América. “A imagem da polícia de fora para dentro é negativa, mas não apenas no Brasil”, constata.
Nessas andanças, o autor viu se repetir a dedicação dos policiais, gastando dinheiro do próprio bolso para comprar armas, uniformes, consertar viaturas, ao mesmo tempo em que, na contramão, permanecem abandonados à própria sorte, e com poucas atitudes isoladas de pessoas que se importam com o policial, em comparação ao efetivo existente.

DESAFIOS
A desigualdade social, de onde muitos policiais militares são provenientes, e como batalham contra suas próprias fraquezas, vencendo as dificuldades e sacrificando, muitas vezes, a própria vida em missões, sujeitos ao julgamento de serem reconhecidos muito mais pelos erros que cometem também é ponto forte na análise de Papa Mike. 
“Não tenho a pretensão de mapear as causas do crime, mas é notório que os governantes contribuem para que a criminalidade se prolifere no Brasil. Os investimentos no país são mal geridos e aplicados em questões menos fundamentais.
A preocupação maior está em mostrar resultados que tragam benefícios eleitorais. Bilhões vão para o ralo em projetos com esses objetivos funestos, enquanto grande parte da população sobrevive em condições miseráveis, morrendo em hospitais mal equipados, lutando para ter o que comer, carente de toda oportunidade de uma vida melhor, abandonada, enfim, ao descaso do Estado”.
O livro aponta problemas a serem reparados com o intuito de ajudar a tornar a profissão mais digna, humana e, sobretudo, reconhecida.
Para Lago, as urgências dão conta da necessidade de atualizações no regulamento disciplinar que contemple o policial moderno como um ser pensante e participando da evolução da sua corporação. Sugere, ainda, mudanças nas questões referentes à valorização do policial, entre elas a saúde física e mental, o transporte, as transferências por conveniência própria, promoções, condecorações e remuneração mais condizente com o serviço prestado.

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS_PAPA MIKE
Quinta-feira, 11 de agosto, às 19h
Local: Associação dos Subtenentes e Sargentos da PMESP
R. Francisco Teodoro, 180 - Vila Industrial, Campinas - SP

Comunicação e conteúdo
sargentolago@hotmail.com

(11) 98259-1412

Nenhum comentário:

Postar um comentário