Páginas

terça-feira, 5 de julho de 2016

O melhor amigo do Homem e da Polícia

Por Rogério Fernandes Lemes*
Fotos: Cb PM Rodney - 3º BPM

A expressão “o cão é o melhor amigo do homem” é bem conhecida. Essa relação de amizade é bem mais antiga que se possa imaginar. Achados arqueológicos revelaram uma duradoura amizade entre humanos e cães. Arqueólogos descobriram restos mortais de humanos e cães em uma clara demonstração de afeto.
Os lobos, em especial os cinzentos, rodeavam os grupos humanos nômades na pré-história e foram, aos poucos, adaptando-se ao convívio dos seres humanos que perceberam, nessa aproximação, uma excelente ajuda no abate de animais selvagens para fins de alimentarem seus descentes. Com a agricultura, as sociedades humanas estabeleceram definitivamente uma relação, quase que de dependência, entre pessoas e cães. 
Na cultura grega, o cão era reverenciado como “sabedor de segredos de outros mundos”, tendo Anúbis como o deus da morte, concepção esta, motivada pela prática alimentar dos lobos e chacais ao devorarem cadáveres de animais. Na mitologia grega, o Cérbero era um demônio com três cabeças de cachorro que guardava a entrada do mundo interior (o mundo dos mortos).
Em todas as culturas humanas, em diferentes épocas e contextos, evidencia-se a presença solidária e terapêutica dos cães na cura de pessoas feridas.
No fatídico período histórico conhecido como a “peste negra”, os cães alimentavam-se de cadáveres humanos. O discurso religioso antigo demonizou os cães rotulando-os como seres das trevas e animais de bruxas. A afeição pelos cães teve significativa melhora com o Renascimento. O cão passou a fazer parte do cotidiano da nobreza e, mais tarde, o emprego de cães a partir das habilidades percebidas pelas pessoas.
As guerras mundiais foram grandes oportunidades para a especialização humana sobre as habilidades caninas em ações militares.
A infância de muitas pessoas ao redor do mundo tem sido marcada por desenhos animados como o pequeno Snoopy, o medroso Scooby-Doo e o atrapalhado Pluto.

Operação de busca a entorpecente.

Cinotecnia

A cinotecnia, em linhas gerais, é um conjunto de técnicas especiais voltadas ao treinamento canino. O policial cinotécnico é um gerenciador de estímulos e um modelador de comportamentos. As polícias militares brasileiras utilizam duas modalidades de treinamento com cães farejadores e cães de guarda e proteção.
O cão farejador é empregado em ações policiais de detecção de entorpecentes e explosivos em aeroportos, rodovias, edificações urbanas e áreas rurais, em como, busca e resgate de pessoas desaparecidas, busca e captura de detentos evadidos de estabelecimentos penais e autores de crimes.
O cão de guarda e proteção é empregado no controle de rebeliões em presídios; na extração e contensão de internos em revistas prisionais; na composição de Unidade de Controle de Distúrbios Civis (CDC) para a busca e imobilização de pessoas a serem detidas; e, no emprego de patrulhamento urbano (motorizado e a pé) e eventos esportivos.
O Canil do 3º BPM conta com quatro policiais militares com especializações em Ações Táticas, Cinotecnia (especialistas em cães de faro) e com o primeiro policial militar do Estado a realizar o II Curso de Cães Farejadores, ministrado pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, no período de 30 de maio a 25 de junho deste ano, com total de 180 horas/aula.
O II Curso de Cães Farejadores foi realizado pelo 3º Batalhão de Choque do Canil Central de São Paulo, tendo como diferencial cinco modalidades de emprego de cão policial de faro. O curso teve a participação de vinte e seis integrantes da PMESP e quatro das forças co-irmãs: FAB, Exército Brasileiro, PRF e PMMS.

Foto: Sd PM Mayer - arquivo pessoal.

Visão Olfativa

Uma situação interessante aconteceu na manhã de segunda-feira (4), em Dourados, MS. Durante o treinamento externo com cão de faro de entorpecentes, um policial militar cinotécnico do Canil do 3º BPM percebeu que, ao passar por um veículo estacionado, o cão apresentou súbita mudança comportamental e iniciou uma varredura na parte traseira externa do veículo.
Foi solicitada a presença do plantonista da Polícia Civil e a autorização para realizar busca minuciosa. Durante a varredura, o cão indicou um fundo falso na parte interna do assoalho, sendo encontrados dezenove tabletes de uma substância análoga à cannabis sativa (maconha), pesando a quantia de dezoito quilos e trezentos gramas.
O Canil do 3º BPM vem se destacando em Dourados pelo número crescente de apreensões de drogas e pessoas detidas. No período de janeiro a julho deste ano, o Canil apreendeu 821,262 Kg de maconha; 92,4 Kg de cocaína; 2,771 Kg de haxixe; e, 70,187 Kg de pasta base. Foram atendidas 117 ocorrências, sendo 25 pessoas detidas e um veículo recuperado.
As ocorrências atendidas pelo Canil do 3º BPM resultam de operação policial militar em terminal rodoviário, aeroporto, rodovias estaduais e apoio a outros órgãos de segurança pública, como a PRF, PF, Exército Brasileiro, Polícia Civil, Guarda Municipal, Departamento de Operações de Fronteira (DOF) e Defron.

* O Autor é sociólogo, escritor e atua como jornalista na Comunicação 3º BPM. MTB 0001588/MS

9 comentários:

  1. Parabens Rogerio pela bela explanacao atrvaves deste artigo.

    ResponderExcluir
  2. Parabens Rogerio pela bela explanacao atrvaves deste artigo.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns 02, muito bem escrito!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Rogério, sucesso em sua jornada. Excelente matéria sobre o uso do cão policial.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Rogério, sucesso em sua jornada. Excelente matéria sobre o uso do cão policial.

    ResponderExcluir
  6. É bom lermos artigos que nos instruí, principalmente sobre cães.

    ResponderExcluir
  7. É bom lermos artigos que nos instruí, principalmente sobre cães.

    ResponderExcluir
  8. Sou grata pela orientação. E desse tipo de notícia que precisamos. Parabéns

    ResponderExcluir
  9. Sou grata pela orientação. E desse tipo de notícia que precisamos. Parabéns

    ResponderExcluir