Páginas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

O milagre da vida

  Revista Criticartes - Ano II, nº. 5 - 2016  

Imagem: s-media-cache-ak0.pinimg.com
Marta Amaral
Arapiraca, AL

Um sonho de um casal era formar uma família, um filho queria ter, mas o tempo parece enlouquecer em meio às adversidades, a criança não podia nascer. 
De um sonho sem realização, que é transformando em aflição. 
É o choro da madrugada, a pergunta sem resposta o silêncio no meio da angústia. 
E nesse contratempo da vida, tudo parece ficar perdido, já não há mais esperança, onde está o sonho do nascer daquela criança? 
A vida não é injusta, nem tudo se dar por acabado, quando se crer pode esperar, o tempo tem um dono, que ensina a buscar, clamar e suportar a espera alcançada. 
É da promessa esquecida, renovada pelo Senhor é a oração feita em meio a dor. 
A criança chegou!
Quando já não havia mas esperança o impossível virou possível, como um novo amanhecer que deu sentindo para o novo viver
É uma sementinha que começa a crescer, uma nova vida há de aparecer e nove meses a percorrer. 
Um sonho que vira realidade, a Fé que deu a certeza daquilo que não se ver, é uma nova história, do ontem, do hoje e do agora...
A história que virou um conto, que deu esperança outras vidas, dela surgiu novas experiências, não o que diz a ciência, mas a Fé e a cresça é que leva a crer.
Que nesse mundo a um Deus de grande poder.
É o nada que vira tudo, a dúvida que vira a certeza, o não pode, que vira tudo pode.
E bem longe disso tudo, aquele sonho quase morto, ressuscitou da fé e do amor, a criança se formou. 
E um nome ganhou, Giovanna. Assim se chama, nove anos ela ganhou, a sementinha que era morta uma vida ganhou, hoje em nosso convivo, vive cercada de amor. 
São os mistérios da vida das mãos do Criador. 
É o milagre da vida, de um sonho em realização, a Fé envolvida no meio da oração. 
Giovanna a menina do milagre... O milagre da vida!
O impossível só torna possível mediante a Fé que sentimos. Deus tem sempre um milagre a operar na vida dos que crer!

  Revista Criticartes - Ano II, nº. 5 - 2016  

Nenhum comentário:

Postar um comentário