Páginas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Um jardim para o poeta

  Revista Criticartes - Ano II, nº. 5 - 2016  

Imagem: https://papodehomem.com.br
Maria Eugênia Amaral*
Dourados, MS

Há meses que trabalho nele, planejando, organizando, encomendando mudas e plantando. Uma jabuticabeira, dezenas de chuvas-de-ouro fixadas em uma antiga mangueira, canteiros de alecrim, lavanda e amendoinzinho, além de duas árvores para colher pitangas e acerolas. Um jardim feito com e para os sentidos: para olhar, tocar, colher, cheirar, comer. Mas sempre faltava um pé de alguma coisa, cobertura para algum canteiro, uma muda pra transplantar... E hoje, ao sentir o aroma do alecrim e me alegrar com os primeiros botões da alamanda amarela, decidi que o jardim estava pronto. Foi então que encontrei um joão-de-barro caído, agonizante sobre o gramado. Um calafrio me percorreu e pensei, com tristeza profunda: “O poeta está partindo...”. Ontem mesmo eu havia conversado com amigos sobre sua hospitalização e a fragilidade de sua saúde.
A tristeza não me atingiu em vão. Manoel de Barros foi embora e deixou órfãos incontáveis: borboletas, pedras, sapos, árvores, lesmas, jabutis, pássaros, rios e até o vento. Nem o cachorro Ramela escapou. Ficamos todos à deriva, buscando terra firme, sem asas, com ramos caídos, pernas e patas sem chão.
Faz muito tempo que nos conhecemos, e no começo achei muito esquisitas aquelas suas palavras, à primeira vista tão sem pé nem cabeça — como se a alguma delas faltasse cabeça ou pé. E então, baixando a guarda e deixando-me contaminar por suas invencionices, fui abduzida em 1985. A nave alienígena foi um livro seu. Na época, coordenando um grupo de pesquisa na UFMS, estudávamos sobre biodiversidade de plantas aquáticas e sua fauna associada. E eu passava a vida envolvida com questões a serem respondidas sobre padrões e processos reguladores, com planilhas, análises estatísticas e uma parafernália de teorias e hipóteses sobre a diversidade biológica no Pantanal. Foi quando li em seu “Livro de pré-coisas” que “no Pantanal ninguém pode passar régua. Sobremuito quando chove. A régua é existidura de limite. E o Pantanal não tem limites” — e uma revelação me atingiu como um raio. Eu era uma besta! Tanto trabalho, tanta pesquisa, e o poeta matava a questão a pau, nua e crua. Nunca mais fui a mesma.
Hoje não tem mais jeito; vou deixar a tristeza me derrubar. Mas amanhã, prometo, vou dançar de cabelos soltos no jardim, dando bom dia às lesmas e beija-flores, celebrando a alegria de ter em mãos (a ao alcance de minha compreensão) poemas como os seus.
Obrigada, Manoel de Barros!

Publicado no dia 13/11/2014 em: www.mariaeugeniaamaral.com
Fonte da imagem: http://papodehomem.com.br

*Fiz biologia no século passado, tenho mestrado e doutorado em ecologia (UNICAMP) e passei quase toda a minha vida trabalhando como cientista e professora na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Estou aposentada e agora me dedico ao prazer de falar e escrever sobre o que gosto, às vezes sobre o que não gosto, mudar de opinião quando estiver convencida que sim e ter uma vida longa e próspera (como diria Sr. Spock)!

  Revista Criticartes - Ano II, nº. 5 - 2016  

Nenhum comentário:

Postar um comentário